Temporada 2019 do judô brasileiro começa com treinamento de campo internacional na Áustria

Depois da pausa para as férias e festas no final de 2018, os judocas brasileiros retornarão aos tatames agora em janeiro para o início da temporada 2019, que trará grandes desafios à equipe nacional. Parte da seleção se apresentará no próximo domingo, 06, para embarcar rumo à Áustria, onde participarão do Treinamento de Campo Internacional de Mittersill, pequena cidade austríaca que fica a aproximadamente 400 quilômetros da capital Viena.

ACESSE AQUI o Calendário 2019 completo.

Participarão desse treino os seguintes atletas brasileiros: Nathália Brígida (48kg), Larissa Pimenta (52kg), Tamires Crude (57kg), Aléxia Castilhos (63kg), Ellen Santana (70kg), Bruna Silva (70kg), Felipe Kitadai (60kg), Alex Pombo (73kg), David Lima (73kg), Lincoln Neves (73kg), Jeferson Santos Júnior (73kg), Eduardo Barbosa (73kg), Guilherme Schimidt (81kg), Rafael Macedo (90kg), Eduardo Bettoni (90kg), Leonardo Gonçalves (100kg) e Rafael Buzacarini (100kg).

O treinamento de Mittersill acontece anualmente nesta época do ano e reúne grande parte dos principais judocas da Europa. Por isso, é considerado um dos treinamentos mais fortes do calendário internacional. Em 2018, cerca de 1000 judocas participaram do treino em Mittersill, entre eles, dez brasileiros.

Além desse, a seleção brasileira fará outros dois treinamentos em janeiro. A equipe masculina se concentrará no Japão no período de 15 a 30, enquanto a feminina se reunirá para treinamento nacional no interior de São Paulo no período de 23 de janeiro a 01 de fevereiro.

A primeira competição de 2019 para o judô brasileiro será o Grand Prix de Tel Aviv, em Israel, nos dias 24, 25 e 26 de janeiro. O evento é inédito e abre o Circuito Mundial da Federação Internacional de Judô distribuindo até 700 pontos no Ranking Mundial da IJF.

Atletas de Nova Ubiratã conquistam quatro medalhas em competição nacional de Judô

Uma medalha de ouro, duas de prata e uma de bronze; foi com esse resultado positivo que atletas da Associação Nova Ubiratãense de Judô (Anju) retornaram do Campeonato Nacional de Judô.

Promovido pela Confederação Brasileira de Ligas de Judô (CBLJ), entre os dias 17 e 18 de novembro, em Três Corações – MG, o evento reuniu mais de quinhentos atletas das quatro regiões do país.

Rio de Janeiro e Pernambuco foram os estados com maiores números de competidores, respectivamente 120 e 80. Já a delegação mato-grossense foi representada por 38 judocas, incluindo quatro atletas de Nova Ubiratã.

Demonstrando habilidade, os integrantes da Anju não se intimidaram com a alto nível técnico da competição.

Atleta mais jovem do grupo Jaqueline Nayara Montezuma de Oliveira, 14, venceu três das quatro lutas e conseguiu garantir a primeira medalha de prata.

Wellyngton Simão Silva também garantiu o segundo lugar mais alto do pódio, da categoria sub-15 leve, após vencer duas vezes por ippon (termo utilizado para definir golpe “perfeito” quando o adversário é arremessado de costas no tatame).

Também na categoria sub-15, Kessy Djones Montezuma de Oliveira demonstrou habilidade ao vencer quatro das cinco lutas disputadas e garantir a medalha de bronze na repescagem.

Já a tão desejada medalha de ouro foi conquistada pelo presidente da Anju, Cyro Capistrano da Silva Neto, que confirmou o favoritismo na categoria veterano I, acima de 100 quilos, ao vencer três lutas consecutivas.

“Foram confrontos de muita técnica e de extrema dificuldade. Nas duas primeiras lutas venci por ippon (…) na terceira disputa eu consegui aplicar um wazari (quando o oponente é projeto com quase a totalidade das costas contra o solo, ou é imobilizado entre 20 e 24 segundos)”, relembra o faixa preta de judô.

Na avaliação de Capistrano, o saldo positivo da competição se deve a qualidade técnica alcançada durante os treinos quase que diários.

“O judô exige muita disciplina e dedicação tanto na vida pessoal quanto na área esportiva. Fico feliz em ver que meus ensinamentos tem surtido efeito na vida de dezenas de crianças e adolescente. Isso graças ao apoio de empresários e demais parceiros da associação”, concluiu.

Fonte: Anju

Alana Maldonado fatura ouro inédito no Mundial de Judô Paralímpico, em Lisboa

A paulista Alana Maldonado conquistou na tarde deste sábado, 17, a primeira medalha de ouro do Brasil na história do Campeonato Mundial de Judô Paralímpico, para atletas com deficiência visual. Em Lisboa, Portugal, a brasileira venceu todos os seus combates e subiu ao lugar mais alto do pódio na categoria até 70kg feminina. Medalhista de prata nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016, Alana consolida-se ainda no topo do ranking mundial de sua divisão. A competição se encerrou no domingo, 18, com as disputas por equipes. O Brasil foi representado por uma delegação com 15 atletas.

Como cabeça de chave da sua categoria, Alana folgou na primeira fase e estreou nas quartas de final, com vitória sobre Zulfiyya Huseynova, do Azerbaijão. Em seguida, pela semifinal, teve pela frente a croata Lucija Breskovic, a quem superou por ippon, com 1min51 de combate. Na luta que lhe rendeu a medalha de ouro, a rival foi a uzbeque Vasila Aliboeva. A adversária chegou a estar à frente em punições, mas foi imobilizada pela brasileira a 28 segundos do fim do duelo.

“Primeiramente, tenho de agradecer. Ainda não consigo acreditar, pois foi um ano muito difícil para mim. Tive um período muito complicado por causa da minha lesão no joelho esquerdo. Mas, com muita garra, pude conquistar os meus objetivos. Confiei em Deus até o fim e consegui mudar esta luta final. Já não tinha mais muitas forças, estava muito cansada, mas acreditei o tempo todo”, disse a judoca de 23 anos, nascida em Tupã, interior de São Paulo.

Alana descobriu aos 14 anos que tinha doença de Stargardt – patologia degenerativa que afeta a visão central, sobretudo em jovens, mas não prejudica a visão periférica do indivíduo. Como já praticava judô convencional desde os quatro anos, a paulista ingressou na sua versão adaptada ao entrar na faculdade.

A outra medalha do Brasil neste sábado veio com a paranaense Meg Emmerich. Ela chegou à semifinal da categoria acima de 70kg, mas foi superada pela sul-coreana Hayeong Park. Em seguida, voltou ao tatame e conquistou o bronze ao superar a sua compatriota Rebeca Silva, por ippon, após 1min41 de luta. Willians Araújo também teve a chance de subir ao pódio, mas foi superado no golden score por Ilham Zakiyev, do Azerbaijão, e ficou com o quinto lugar.

Brasil pega bronze no Feminino por equipes e fecha Mundial de Judô com medalha

O Brasil fechou a sua participação no Mundial Paralímpico de Judô com mais uma medalha. A equipe feminina brasileira ficou com o Bronze e faturou a terceira medalha do Brasil na competição.

Comandadas pelo técnico Alexandre Garcia, Karla Cardoso, Rebeca Silva e Lúcia Araújo perderam na semifinal para a Coréia e buscaram o bronze diante da Turquia. A equipe brasileira contou ainda com Giulia Santos, Maria Nubea Lins e Meg Emmerich.

Lúcia Araújo e Rebeca Silva brilharam e bateram as adversárias com autoridade. Com apenas 17 anos, Rebeca se mostra como a grande promessa do Judô Paralímpico Brasileiro dos próximos anos.

Já o Masculino venceu a Venezuela na estreia, porém perdeu para o Azerbaijão na segunda rodada e deu adeus as chances de medalhas.

O Brasil fecha o Mundial Paralímpico de Judô 2018 com três medalhas, duas de bronze e o ouro inédito e histórico com Alana Maldonado.

Foto: Rafal Burza

Por: Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br) / Comunicação CBDV (gabrilamorim@hotmail.com)